O seu smartphone realmente precisa de uma película protetora?

Imagem

Antigamente, lá na década de 1990, os celulares eram produtos quase indestrutíveis (quem teve um Nokia tijolão sabe bem do que estamos falando). Criados para resistir a todo tipo de situação, esses aparelhos garantiam satisfação ao consumidor. As funções eram limitadas e, consequentemente, não era necessária uma tela grande (um display capaz de exibir números e caracteres básicos era suficiente).

Com o passar dos anos, fomos apresentados aos smartphones, os quais revolucionaram a forma como conhecemos o telefone. Todavia, a chegada de visores grandes foi um problema nos primeiros dispositivos, principalmente para quem é um pouquinho descuidado. Quem nunca riscou a tela do celular tem habilidades realmente especiais.

Por conta dessa fragilidade, algumas empresas bolaram formas de garantir maior resistência às telas. O maior exemplo é a Corning, que oferece diversas variantes da tecnologia Gorilla Glass, a qual promete livrar o usuário dos riscos e oferecer uma proteção extra para casos de quedas. Algumas fabricantes de smartphones que adotam esse tipo de proteção chegam até a dizer que a tela é inquebrável, mas é claro que a história não é bem assim.

A verdade é que tecnologias desse tipo, às vezes, não protegem totalmente contra os riscos. A camada protetora que reveste o display serve apenas para arranhões superficiais, sendo que mesmo os usuários mais cuidadosos vão notar que as telas de seus gadgets acabarão tendo uma ou outra escoriação.

Devido a isso, e principalmente porque ninguém quer trocar de telefone (ainda mais que eles são bem caros) por conta de uma tela danificada, muitos consumidores preferem usar películas protetoras. Mas será que adianta alguma coisa? Afinal, quais são os benefícios? Existe alguma desvantagem em usar esses polímeros?

Adianta usar película?

ndo direto ao ponto, podemos dizer que as películas protetoras realmente oferecem uma resistência adicional ao seu celular, então adianta usá-las! Elas são perfeitamente capazes de evitar riscos à tela, afinal, qualquer dano que supostamente aconteceria diretamente no display acaba sendo direcionado à fina camada de plástico que foi aplicada sobre o visor.

É claro que mesmo a mais resistente das películas não será capaz de deter uma escoriação muito severa, então não adianta querer testar sua tela com uma faca de açougueiro, pois o plástico será rasgado facilmente e você danificará seu aparelho.

 

 

A vantagem da película geralmente é poder se despreocupar no cotidiano. Você pode colocar o smartphone no mesmo bolso em que você carrega as chaves sem ter que ficar pensando em possíveis arranhões na tela. É claro, o plástico ficará danificado em algum momento, mas bastará adquirir um novo produto para ter sua tela “limpa” novamente.

Uma grande vantagem da película é a ausência de marcas de impressão digital. Se você se incomoda com esse tipo de coisa, com certeza a maioria das películas oferecerá alguma vantagem, pois elas evitam que a gordura dos dedos fique na tela. Nesses casos, a película funciona tão bem quanto as telas com revestimento “oleofóbico”.

Muda alguma coisa na usabilidade?

Por se tratar de uma camada extra de material, você pode presumir que a película protetora acaba prejudicando o uso do smartphone. De fato, há películas mais grossas que podem atrapalhar e até mesmo prejudicar muito a utilização (não sendo possível ativar algumas funções ou usar qualquer recurso).

Via de regra, uma película de qualidade intermediária que possibilite usar o touchscreen para comandos simples deve possibilitar a utilização de todas as funcionalidades, incluindo os gestos que exigem multitoque.

Algo que pode afetar na usabilidade é a aplicação incorreta. Normalmente, basta grudar o plástico sobre o visor e aproveitar seu celular normalmente. Se você não colar corretamente e deixar bolhas de ar em algum local, pode acontecer que uma ou outra região não funcionem apropriadamente – mas a simples recolocação da película resolve esse tipo de problema.

Uma questão — bem importante, diga-se de passagem — que deve ser levada em conta é o tipo da película que você vai usar. Existem produtos que apenas protegem e quase não alteram a qualidade da imagem (o que significa que quase todas as qualidades e os defeitos de sua tela permanecerão intactos).

Outros, entretanto, são mais foscos – às vezes até ásperos – e, portanto, afetam diretamente na sensação de toque e também na reprodução das cores. Em alguns casos, você precisa aumentar o nível de brilho do gadget para conseguir ter uma experiência confortável. Caso você esteja pensando em aderir a esse tipo de solução, então vale levar isso em conta.

Eu preciso de uma película protetora?

Se você adquiriu um smartphone recentemente (Nexus 4, Galaxy S3, Moto X, etc.), é bem provável que você não precisará de uma película no seu celular. As proteções – seja Gorilla Glass ou outra tecnologia – nos gadgets mais recentes são de alta qualidade e resistentes o suficiente para evitar riscos no dia a dia.

 

 

Mesmo que você costume carregar seu aparelho junto com moedas ou chaves, a tela provavelmente não sofrerá danos severos. Pode acontecer sim que um ou outro arranhão apareça eventualmente, mas um pouco de cuidado (vale evitar grandes quedas, sentar em cima do celular e usar a tela como martelo) já deve garantir que o display fique quase intacto por um ou dois anos.

Agora, se o seu celular é um pouco mais antigo, e, portanto, não tem algum tipo de proteção, ou se é um aparelho com display do tipo capacitivo (os quais geralmente têm telas mais sensíveis), então a película protetora pode ser de grande valia. Muitos dispositivos, inclusive, já trazem películas de fábrica e você não vai se arrepender de usar.

É importante ressaltar que o Gorilla Glass também não é perfeito e há uma série de situações em que ele pode falhar. Essa proteção não é muito eficiente contra pedras, areia, materiais muito afiados, diamantes e outros tantos. Se você costuma levar qualquer um desses itens no bolso (o que é bem difícil) ou se você vai muito à praia, então a película acaba sendo bem útil.

No fim, se você é estabanado e não quer comprar um smartphone novo tão logo, a película é uma boa ideia. É importante levar em consideração que esse acessório pode sim causar interferência no touchscreen e na qualidade (brilho e cores) de exibição. Entretanto, há vantagens também, principalmente para quem não quer a tela repleta de rastros das impressões digitais.

Caso você decida usar uma película, não é preciso optar pela marca mais cara do mercado (até porque muitas delas abusam de termos técnicos para enganar o consumidor), mas é válido averiguar a qualidade do produto escolhido. Você usa esse tipo de acessório ou a proteção de fábrica do seu celular evita os riscos?

 

fonte e notícia : tecmundo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s