Cientistas descobriram como apagar e reativar memórias em ratos

Imagem

 

Se uma pessoa é a soma de suas memórias e experiências, o que aconteceria se elas pudessem ser apagadas à vontade?

Esse pode ser um dilema ético que teremos de confrontar em um futuro não muito distante. De acordo com pesquisadores da Universidade de San Diego, na Califórnia, é possível apagar e recuperar memórias na mente de ratos de laboratório — algo que já havia sido verificado ano passado por alunos do MIT, em um contexto um pouco diferente.

O experimento que levou os cientistas a esta conclusão não é dos mais agradáveis. Nele, os roedores foram submetidos a choques enquanto seus nêurons recebiam pulsos de luz através de um cabo de fibra ótica implantado nos seus cérebros. Depois de algumas tentativas, os choques pararam, mas toda vez que a luz era utilizada os pequenos ratos morriam de medo e apreensão , graças à memória do sofrimento anterior.

Depois dessas sessões, os cientistas analisaram as áreas de formação destas novas memórias e trabalharam para enfraquecer as novas sinapses formadas pelos ratos. O que eles descobriram é que era possível rompê-las completamente no processo. Uma vez submetidos a este rompimento, os ratos voltavam para a câmara inicial com o cabo de fibra ótica, e para surpresa dos cientistas nenhum roedor parecia sentir mais medo ou apreensão dos pulsos de luz.

Quais são as implicações deste projeto

O responsável pelo projeto, Professor Robert Malinow, disse em entrevista: “Nós podemos formar memórias, e, uma vez mapeadas as sinapses, podemos apagá-las ou reativá-las de acordo com nossa vontade”. Ainda que isso soe exatamente como o roteiro de “Brilho eterno de uma mente sem lembranças”, de Michel Gondry, o cientista tem certeza que a melhor parte deste estudo são as implicações médicas que podem atuar na cura de sintomas de Alzheimer.

A dominação mundial não parece mesmo estar entre os planos da equipe da Universidade da Califórnia. No momento, os testes ainda estão engatinhando nos ratos, e apenas com memórias de traumas, muito mais fáceis de serem mapeadas. Ainda levará muito tempo até eles conseguirem identificar lembranças mais complexas e trabalhar diretamente com cérebros mais desenvolvidos.

 
fonte e notícia : tecmundo
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s