Estudo aponta aumento de uso de redes sociais por terroristas

Washington (AFP) – Grupos terroristas têm expandido sua presença online com o uso crescente de redes sociais, dificultando a prevenção de atentados, de acordo com estudo divulgado.

Realizado pelo centro de pesquisa Woodrow Wilson, de Washington, o estudo mostrou que organizações como a Al-Qaeda passaram a usar redes sociais como Youtube, Twitter, Facebook e Instagram.

“Todas as organizações terroristas estão online, usando diversas plataformas”, afirmou o autor, Gabriel Weimann, professor de comunicação na Universidade de Haifa.

“Do ponto de vista de um terrorista, (as mídias sociais) possibilitam uma vantagem importante: o anonimato”, disse Weimann no evento de lançamento da pesquisa.

As páginas na internet são usadas para recrutamento, publicidade, arrecadamento de fundos e até mesmo treinamento – sobre como construir uma bomba, por exemplo.

Weimann, que estuda a comunicação de terroristas há anos, explicou que existiam somente 12 sites desse tipo em 1998, enquanto hoje são cerca de 1.000, incluindo fóruns e salas de bate-papo.

Esses grupos “nunca inventaram nada” online, ressaltou, mas se aproveitaram da liberdade da rede para seus propósitos. Um exemplo é a revista digital “Inspire”, em inglês, que visa recrutar e treinar militantes.

Conexão com os jovens

A internet facilita a busca de interessados e é um meio de se conectar com os mais jovens, diz o texto, ao enumerar as razões para os terroristas usarem as mídias sociais.

“Em primeiro lugar, esses canais são, de longe, os mais populares com sua audiência planejada”, afirma o estudo. “Segundo, mídias sociais são amigáveis com os usuários, confiáveis e livres. Finalmente, as redes permitem aos terroristas alcançar sua audiência e ‘bater em suas portas’ virtualmente, ao contrários de outros modelos de sites, quando era preciso esperar os visitantes vir até eles”.

Weimann explica ainda que a internet permite aos terroristas manterem vivos seus heróis, como Anwar al-Awlaki, líder islâmico morto em 2011 por um drone (avião sem piloto) americano.

O Youtube simplificou o envio de vídeos, como de sequestros e assassinatos, exemplifica o estudo.

Já o Twitter é usado para acompanhar ao vivo atentados, como o ataque ao shopping Westgate, em Nairóbi, no Quênia, em 2013.

Para Weimann, tentar bloquear essas atividades seria inútil. O melhor a ser feito, sugere, é monitorá-las, e aprender com elas.

O professor afirmou que é preciso sofisticar os programas de vigilância, como os usados pela Agência de Segurança Nacional (NSA) americana, mas mantendo a privacidade dos cidadãos.

“Há uma necessidade crucial de monitorar” os terroristas, reconheceu, mas “tudo isso precisa ser regulado”, ressaltou.

 

 

fonte e notícia : tecmundo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s