Receita Federal libera a nova versão do software para declaração do IR 2014

Receita Federal libera a nova versão do software para declaração do IR 2014 Assim como já acontece há algum tempo, a Receita Federal conta com um software para que você realize a sua declaração de Imposto de Renda (ou apenas IR) — e, este ano, vai ser possível entregá-la apenas através da internet. Para que essas mundanças aconteçam em 2014, o órgão nacional começou a liberar a versão atual do programa para utilização prévia e download.

Assim como você já deve saber, o ano base é 2013, sendo que já é possível atualizar os seus dados. No entanto, a Receita Federal vai começar a receber as declarações apenas depois do Carnaval — mais especificamente a partir do dia 6 de março. Além disso, o prazo máximo para que isso seja feito é até às 23h59 do dia 30 de abril.

Declaração por tablets e algumas dicas

Também foi informado que a Receita Federal vai continuar trabalhando com o seu aplicativo para que declarações sejam feitas através de tablets, sendo que o software se chama m-IRPF e vai ser oferecido através da Google Play e da Apple App Store a partir do dia 6 do próximo mês. Sendo assim, apenas os aparelhos que rodam os sistemas Android e iOS vão poder executar este tipo de operação.

Caso você esteja interessado em baixar a versão 2014 do programa para declarar o IR, basta clicar no botão abaixo para acessar a página correta do Baixaki. Outro link que merece destaque é a página com as regras que abrangem a declaração — e você deve apenas clicar aqui para encontrá-la.

Baixar IRPF - Imposto de Renda Pessoa Física

Anúncios

Hackers pretendem atacar sites corporativos durante a Copa do Mundo

Hackers pretendem atacar sites corporativos durante a Copa do Mundo

 Hackers brasileiros pertencentes a movimentos ativistas pretendem atacar sites durante a Copa do Mundo, cuja primeira disputa acontece já em 12 de junho. As informações são do portal Info (Reuters). Motivados pelos protestos que aconteceram em junho de 2013, os manifestantes afirmam agora que “os ataques serão direcionados a sites oficiais e a empresas que patrocinam a Copa”, conforme explica o hacker conhecido por Che Commodore.

Em entrevista por Skype, Eduarda Dioratto, uma das supostas ativistas online, disse que os planos já estão sendo feitos. “Não acho que [os sistemas de segurança] podem fazer muito para nos impedir”, comentou Dioratto em referência à falta de infraestrutura de defesa contra ataques hacker. Também ainda conforme dito pelos agitadores, a Copa do Mundo oferece uma audiência global ao Brasil – o que justifica a escolha deste evento em especial pelos manifestantes.

Uma questão de tempo

O compartilhamento de conteúdo pirata, a falta de investimento em segurança online e as redes sobrecarregadas são alguns dos aspectos que mais preocupam especialistas em telecomunicação. “A questão não é a Copa vai ser atacada, mas quando”, afirmou William Beer, técnico em segurança online da empresa de consultoria Alvarez & Marsal.

Segundo José Carlos dos Santos, general responsável pelas empreitadas de combate do Exército a ataques de hackers, o Brasil está preparado para enfrentar eventuais ameaças. “Seria irresponsável dizer que qualquer país está 100% preparado para uma ameaça. Mas o Brasil está pronto para responder às prováveis ameaças”, comentou o militar.

Forma de ataque

Em 2012, o grupo de ativistas online Anonymous fez diversos portais ficarem fora do ar mundo afora (no Brasil, a equipe de hackers chegou a atacar sites de bancos, deixando-os indisponíveis a usuários que praticam transações online). Mas como essa pane aconteceu? Uma sobrecarga de acessos simultâneos fez com que um engarrafamento entupisse o tráfego em sites – e esta deverá ser a estratégia adotada pelos hackers que pretendem dar as caras durante a Copa.

Hackers pretendem atacar sites corporativos durante a Copa do Mundo

“É rápido, simples e prejudicial”, explica Che Commodore. Importante mencionar que os integrantes do grupo Anonymous não pretendem lesar a vida do “cidadão comum” – uma vez que somente sites corporativos serão aparentemente atacados. Sobre o sistema de segurança montado contra a ameaça hacker, Bile Day, outro dos ativistas, diz que a empreitada “não é nada de outro mundo. A segurança continua muito baixa”.

Fato é que as promessas calorosas feitas pelos supostos hackers poderão colocar de fato o sistema de segurança online do Brasil à prova, pois o “país é um grande alvo. É neutro e tem uma infraestrutura desafiadora”, nos conformes do comentário de Marcos Oliveira, um dos executivos da companhia estadunidense Blue Cost.

fonte e noticia: tecmundo

Google tem num deserto dos EUA maior usina solar do mundo!

Imagem

 

Planta ocupa cerca de 12 km² e pode gerar 342 megawatts de eletricidade. Capacidade é suficiente para abastecer mais de 140 mil casas.O Google em parceria com mais três empresas inaugurou na última semana a maior usina solar do mundo no deserto de Mojave, nos Estados Unidos.A planta ocupa cerca de 12 quilômetros quadrados e está próxima da fronteira dos estados da Califórnia e Nevada. São 347 mil espelhos voltados para o sol, com capacidade para gerar 342 megawatts de eletricidade — suficiente para abastecer mais de 140 mil casas.A luz solar gerada é concentrada em torres espalhadas pela planta, que são receptores cheios de água. Quando a luz atinge esse receptor, a água fica aquecida e cria vapor, que é canalizado para turbinas e geram eletricidade.Veja no vídeo abaixo uma pequena reportagem sobre o assunto, onde se pode perceber que há várias vantagens na construção:

fonte e noticia: ubuntued.info

Carro movido a ar deve chegar ao mercado em 2016

Carro movido a ar deve chegar ao mercado em 2016

 Um veículo inteiramente movido a ar é algo que normalmente ocupa a tenra idade de cabeças particularmente inventivas — o tipo de projeção normalmente acompanhada por coisas como “um dia”. Bem, mas esse dia deve estar mais próximo do que nos parecia há até pouco tempo. Dois engenheiros da PSA Peugeot Citroën acreditam, de fato, do ideal infantil.

Ao utilizar duas tecnologias bem conhecidas da indústria — o motor a gasolina e o sistema hidráulico —, Andrés Yarce e Karim Mokaddem contornam o velho problema de projetos baseados no ar como combustível. Trata-se da necessidade de energia para gerar energia, já que é preciso comprimir o gás para que ele devolva algum trabalho. E o resultado pode ser algo interessante tanto do ponto de vista econômico quanto do ecológico.

Carro movido a ar deve chegar ao mercado em 2016 Até 80% de economia

Para contornar a questão, o projeto Hybrid Air, coordenado pelos dois, apareceu com um sistema relativamente simples, mas bastante eficiente. Conforme mostra o esquema acima, trata-se de um motor híbrido formado por dois tanques de nitrogênio, uma bomba hidráulica e um motor convencional movido a gasolina.

Dessa forma, embora não tenha concebido um bólido totalmente movido a ar atmosférico, o projeto Hybrid Air garante ser capaz de reduzir o consumo de combustíveis convencionais entre 60% e 80%, dependendo da utilização do veículo.

Carro movido a ar deve chegar ao mercado em 2016 

Eis como a coisa funciona:

 

  1. O carro híbrido utiliza nitrogênio comprimido, o qual é armazenado em um tanque de alta pressão;
  2. Uma bomba hidráulica e um pistão comprimem o nitrogênio para dentro do acumulador — de forma que, quando o gás é liberado (através do pressionamento do acelerador), a bomba acaba por funcionar em sentido reverso, passando a atuar como um motor. A energia do fluido hidráulico em movimento envia força para as rodas;
  3. Uma vez que o fluido tenha passado pelo motor, ele escoa para o acumulador com menos pressão, sendo reservado para utilização futura; e
  4. Um motor movido a gasolina entra em ação em aclives ou quaisquer momento em que uma aceleração mais pronunciada se faz necessária. Entre os modelos possíveis, encontram-se o I3 de 1.2L e 82 cavalos de potência (nos subcompactos) e o I4 de 1.6L e 110 cavalos de potência (nos compactos).

 

Um híbrido com vantagens adicionais

Durante uma utilização normal, o projeto da Peugeot Citroën deve funcionar basicamente como um híbrido elétrico-gasolina. Entretanto, em termos de produtivos, o Hybrid Car é tanto mais leve quanto mais barato, trazendo ainda a vantagem de não precisar reservar um espaço generoso dentro da estrutura para uma bateria de longa duração.

“O sistema foi desenvolvido para durar tanto quanto o próprio carro”, explicou Yarce. “A única manutenção possível deve ser uma recarga de ar.”

Carro movido a ar deve chegar ao mercado em 2016

De qualquer forma, o resultado do protótipo fez tanto sucesso que a PSA Peugeot Citroën decidiu colocar logo os veículos em fabricação. De fato, o Hybrid Air deve aparecer como opção em todos os Citroën e Peugeot subcompactos na Europa (e possivelmente em mercados internacionais) em 2016. Embora nenhum preço tenha sido anunciado até o momento, foi dito que o valor final deve ser praticamente o mesmo de outros híbridos movidos a gasolina. 

fonte e noticia: tecmundo

Assistências técnicas autorizadas começam a reparar iPhones em março

Assistências técnicas autorizadas começam a reparar iPhones em março

 

Importante mencionar, porém, que a reparação completa a aparelhos de toda a linha iPhone não poderá ser feita neste primeiro momento. Ainda de acordo com o portal MacMagazine, a aquisição de peças e ferramentas para a devida manutenção dos mobiles deverá acontecer dentro dos próximos dias. Dessa forma, somente os modelos listados a seguir poderão ser parcialmente reparados pelos Centros de Serviços Autorizados Apple (Apple Authorized Service Providers):

  • iPhone 4: reparo à bandeja do SIM card, tampa traseira, câmera principal e bateria;
  • iPhone 4S: reparo à bandeja do SIM card, tampa traseira, câmera principal, bateria, calço do botão de volume e módulo do alto-falante;
  • iPhone 5: reparo à bandeja do SIM card, braço ejetor do cartão SIM, módulo receptor, bateria, motor vibratório, conjunto flexível do botão de início e módulo do alto-falante;
  • iPhone 5S: reparo à bandeja do SIM card, braço ejetor do cartão SIM, módulo receptor, motor de vibração, bateria, módulo do alto-falante e câmera iSight; e
  • iPhone 5C: reparo à bandeja do SIM card, braço ejetor do cartão SIM, módulo receptor, motor de vIbração, bateria, módulo do alto-falante, conjunto flexível do botão Início e câmera iSight.

Assistências técnicas autorizadas começam a reparar iPhones em março

O preço oficial dos serviços a aparelhos que se encontram fora do período de garantia são os seguintes:

Assistências técnicas autorizadas começam a reparar iPhones em março

Reparos a telas deverão acontecer posteriormente

A complexidade do processo de troca de tela de iPhones exige o uso de uma robusta máquina – ainda não distribuída aos Centros de Serviços Autorizados Apple. Se o visor de seu iPhone encontra-se danificado, paciência: parece que a Genius Bar, aparelho responsável por prestar esse tipo de serviço, deverá demorar algum tempo até desembarcar em solo brasileiro. Vale dizer que o preço de reparação ou troca de tela de iPhones em lojas norte-americanas sai pelo preço de US$ 150 (algo em torno de R$ 350, em conversão direta para reais).

fonte e noticia: tecmundo

Dica : Segurança residencial: conheça alguns equipamentos para proteger a sua casa

Segurança residencial: conheça alguns equipamentos para proteger a sua casa

Infelizmente, a insegurança é algo que faz parte do nosso cotidiano. De uns tempos para cá, não estamos completamente protegidos nem mesmo no aconchego dos nossos lares. E é exatamente por esse motivo que a indústria de segurança tem crescido ano após ano.

A tecnologia também tem grande influência nisso, pois ela proporciona mecanismos cada vez mais práticos e eficientes para manter uma determinada área protegida, seja com o monitoramento em tempo integral e acessível a qualquer momento e de qualquer lugar ou por meio de restrições de acesso.

O tema foi levantado pelo nosso leitor Agnus Barros e nós resolvemos pesquisar quais são os recursos tecnológicos disponíveis no mercado atualmente para que você consiga proteger a sua casa e, consequentemente, a sua família.

A boa e velha tática sonora

As centrais de alarme não são nenhuma novidade nessa área. Mesmo assim, elas não deixam de ser eficientes, afinal, o ladrão dificilmente permanecerá na residência com um barulho ensurdecedor incomodando toda a vizinhança. Embora tenham um funcionamento complexo, o conceito dessa tecnologia é simples.

Grosso modo, ela se resume a uma série de sensores apontados para portas e janelas que envia um sinal para a central que tem suas configurações bloqueadas por uma senha, fechando uma espécie de circuito. Se por algum motivo esse sinal for cortado, ou seja, algumas das luzes infravermelhas tiverem uma interrupção, o alarme é disparado imediatamente.

Segurança residencial: conheça alguns equipamentos para proteger a sua casa

Desse ponto em diante, as ações posteriores variam de acordo com a complexidade do equipamento instalado. Alguns apenas soam esse alarme, outros encaminham uma mensagem de alerta para o celular do dono da casa e ainda há aqueles que acionam a empresa de segurança contratada, que por sua vez envia um funcionário para averiguar a situação.

Esse segmento é realmente muito amplo e fica difícil calcular um preço médio de investimento necessário. Existem opções mais simples que custam menos de R$ 100, mas é possível encontrar alternativas completas por mais de R$ 500, fora as possíveis mensalidades, caso seja contratado um serviço de monitoramento.

De olho o tempo todo

Outro artefato muito usado na segurança residencial é a câmera de monitoramento, que também não é uma modalidade de equipamento nova. Porém, assim como a central de alarme, ela continua tendo um a sua relativa efetividade.

Há inclusive quem simule a existência desse tipo de aparato em sua casa ou negócio simplesmente para fazer com que os meliantes pensem duas vezes antes de tentar algo nesses locais. Contudo, os bandidos estão cada vez mais ousados e parecem não temer terem seus rostos gravados. Por isso, essa prática não é muito indicada.

O grande avanço nesse sentido tem sido a facilidade de monitoramento. A popularização de smartphones, tablets e outros equipamentos capazes de estarem conectados permanentemente à internet impulsionou o desenvolvimento de câmeras com a capacidade de transmitir as imagens capturadas em tempo real pela web.

No final do ano passado, nós tivemos a oportunidade de testar um desses equipamentos, a D-Link Enhanced Wireless N Day/Night Home Network Camera (DSC-942L). A partir de configurações simples e exigindo apenas a conexão com a internet, você pode acompanhar o que acontece em um determinado cômodo da sua residência de qualquer lugar do mundo, não importando a hora do dia. Clique aqui para conferir a análise completa desse aparelho.

Esse segmento também oferece modelos para todos os gostos e bolsos, variando de um pouco mais de R$ 100 a mais de R$ 1 mil. Mas, como para quase tudo existe um “jeitinho”, é possível transformar uma simples webcam em uma verdadeira câmera de monitoramento. Confira os seguintes tutoriais para descobrir como fazer isso:

Mais recente que as tecnologias citadas até aqui, os chamados videoporteiros têm ganhado bastante espaço nesse nicho. Eles são uma evolução dos porteiros eletrônicos, tendo como diferença básica a incorporação de uma câmera que fica escondida no aparelho externo e permite a visualização de quem está batendo na sua porta.

Segurança residencial: conheça alguns equipamentos para proteger a sua casa

O aparato tem sido adotado como um grande aliado na proteção de prédios e condomínios de médio e grande porte, possibilitando que os porteiros também tenham uma confirmação visual de um possível morador ou de um visitante conhecido.

O investimento inicial para ter um modelo mais simples de videoporteiro gira em torno dos R$ 500, mas esse valor pode facilmente beirar os R$ 1 mil em dispositivos com imagem colorida, transmissão de imagem sem fio e com mecanismo de visão noturna.

Na ponta do dedo

Aumentando o grau de complexidade das tecnologias empregadas na segurança residencial, chegamos aos controles de acesso biométricos. Em suma, esses equipamentos consistem em trancas que usam elementos de composição corporal única como métrica de desbloqueio. Esses parâmetros podem ser definidos com base nas digitais, estrutura facial ou retina dos olhos.

Segurança residencial: conheça alguns equipamentos para proteger a sua casa

Há modelos que inclusive combinam duas formas de verificação de identidade, variando entre comparação de face, digitais e senha. Em outras palavras, burlar esse tipo de sistema é extremamente difícil. Contudo, o preço para ter uma proteção desse nível é alto: cerca de R$ 3 mil. Porém, caso você não ache necessário ou não precise de tudo isso, é possível encontrar aparelhos a partir de R$ 400.

Controle absoluto

Seguindo a tendência da tecnologia como um todo, os equipamentos de segurança começam a apresentar soluções integradas que atuam em mais de uma atividade. Esse é o caso do MyHome, lançado pelo Grupo Amper em agosto de 2013. O sistema é uma plataforma baseada na nuvem que permite gerenciar diversas aplicações e serviços, como controle de acesso, televigilância, eficiência energética, teleassistência e localização.

Para isso, o MyHome conta com câmeras, sensores de presença e abertura, tomadas com funcionalidade liga/desliga e medição de consumo. As imagens podem ser visualizadas em tempo real, além de capturadas fotos e vídeos. Outro diferencial dele é a possibilidade de ligar, desligar e regular as luzes e sistema de temperatura do ambiente e a leitura de consumos totais de energia.

O simples também pode funcionar

Mas quem disse que para proteger sua casa um dispositivo precisa ser complexo? Neste artigo, embora tenha um objetivo de entretenimento, são apresentados vários equipamentos simples que podem ajudar a manter os bandidos longe da sua moradia, sem gastar muito para isso. Entre eles estão um simulador de latidos, um gadget que passa a sensação de ter uma pessoa assistindo à TV, um calço de porta com alarme e mais.

fonte e noticia: tecmundo

 
 

Pesquisadores criam vírus de computador que se espalha por redes WiFi

Pesquisadores criam vírus de computador que se espalha por redes WiFi 

Batizado como “Chameleon” (camaleão, em uma tradução livre), um novo vírus criado por uma equipe de pesquisadores da instituição é capaz de pular entre diferentes redes WiFi sem ser notado, visando as conexões mal protegidas disponíveis na área para continuar se espalhando de maneira eficaz — o que tornaria redes abertas seu “prato preferido”, por assim dizer.

O lado bom dessa história é o fato de que o Chameleon se trata de somente uma mera simulação, ao menos no momento atual. Segundo os responsáveis pelo vírus, hackers podem replicar facilmente seu funcionamento, o que acaba com a crença de que malwares não podem se espalhar dessa forma. “Demonstramos que isso é possível e que isso pode se espalhar rapidamente”, afirma o professor Alan Marshall. “Agora somos capazes de usar os dados gerados por esse estudo para desenvolver uma nova técnica capaz de detectar a probabilidade de um ataque”, complementa.

fonte e noticia: tecmundo