Brasil e Argentina pretendem criar sistema conjunto de defesa cibernética

Brasil e Argentina pretendem criar sistema conjunto de defesa cibernética

 As recentes revelações do ex-técnico terceirizado da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA), Edward Snowden, de que o governo dos Estados Unidos acessou comunicações telefônicas e eletrônicas para espionar cidadãos do seu próprio país e de vários países da Europa e da América Latina tem preocupado os dirigentes brasileiros e argentinos.

De acordo com informações da Agência Brasil, o governo da Argentina enviará uma missão ao Brasil dentro de dois meses para avaliar a criação de um sistema conjunto de defesa cibernética. Essa é apenas mais uma reação ao escândalo da espionagem americana.

O ministro da Defesa, Celso Amorin, esteve reunido na quinta dia 12 com a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e na sexta dia 13 com o ministro da Defesa, Agustín Rossi e das Relações Exteriores, Hector Timerman, para debater o assunto.

Tensões mundiais

O caso é bastante grave, e tem provocado tensões dentro e fora do Brasil, além de ter estremecido a relação dos governos brasileiro e americano. Documentos sigilosos divulgados por Snowden por meio da imprensa indicam que a presidente Dilma Rousseff e a Petrobras teriam sido monitoradas pelos programas de vigilância dos EUA.

“Achamos que essa questão de espionagem, que teve como epicentro o Brasil, mas que também repercutiu em outros países da América Latina, merece uma tentativa de encontrar uma resposta regional”, disse o ministro argentino da Defesa, em entrevista, após o encontro com Amorim.

Fuga de cérebros

Segundo Amorim, Brasil e Argentina “são dois países com grande capacidade de produção de software”. No entanto, advertiu que é preciso investir para manter os especialistas da área trabalhando para seus governos, evitando uma fuga de cérebros. “Queremos mantê-los em nossos países para criar softwares e estruturas físicas que nos permitam melhor proteger nossas informações sensíveis”, disse Amorim.

Este ano, o Ministério da Defesa tem um orçamento de R$ 90 milhões para o Centro de Defesa da Cibernética, mas, segundo Amorim, depois das denúncias de espionagem eletrônica, está sendo feita uma “avaliação para a implementação de um programa imediato”, cujos custos ele ainda não pode revelar.

fonte: tecmundo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s